História

INFORMATIVO SOBRE O MUNICÍPIO DE TAPERA

Histórico

A colonização de Tapera iniciou aproximadamente no ano de 1897, quando começaram a chegar os primeiros colonos italianos e alemães. O povoamento era feito às margens dos rios, em virtude da água, necessária para o consumo, para a limpeza e para os animais, e também perto das estradas ou picadas, o que facilitava o acesso a outros locais, pois nessa região havia imensos pinheirais.

Coronel Gervásio Luccas Annes, ilustre Prócer e abastado cidadão de Passo Fundo adquiriu na Fazenda Nacional, uma ampla área de terras na Colônia do Alto Jacuí.

Movido pelo interesse e desejo de promover o desenvolvimento de suas posses, o Coronel resolveu mandar medir a área, para este trabalho convidou como sócio Alberto Schimidt, que se deslocou para o Alto Jacuí em meados de 1897, com homens, bagagens e todo aparelhamento necessário. Encontrou aqui residindo Germano Kroessin, vindo de São Leopoldo e Fabrício Boron, vindo de Garibaldi.

Enquanto ocorria a medição, Alberto Schimidt fazia a propaganda da região visando atrair colonos. Desta forma, escreveu cartas a conhecidos, viajou várias vezes às terras de São Leopoldo, São Sebastião do Caí, Santa Cruz do Sul e Garibaldi, contatando pessoas de sua relação e de certo prestígio que ajudaram no intento de colonizar o Alto Jacuí.

Quando os primeiros colonizadores aqui chegaram para a medição das terras, encontraram um rancho abandonado, utilizado por viajantes que por aqui passavam e ali paravam para descansar à sombra e tomar água do riacho. Aquele casebre abandonado que servia de parada para os viajantes passou a denominar-se uma “tapera”, que servia de referência para os viajantes e de pouso para os tropeiros que viajavam das terras de Cruz Alta à Soledade.

Segundo relatos, o casebre foi construído por Anastácio Lopes, o “castelhano”, um foragido da justiça Argentina. Ao perceber que o local não era mais um esconderijo seguro, devido ao movimento que aumentava na região, “castelhano” fugiu e nunca mais foi visto. Conta-se que o local da “tapera” era aprazível e possuía uma bela vista.

Com o aumento da população, o povoado cresceu e tornou-se 3º Distrito de Carazinho. Mais tarde, em 18 de dezembro de 1954, a Vila Tapera, passou a categoria de cidade, criando-se o município de Tapera. Para que a emancipação ocorresse efetivamente houve o sonho e o trabalho em prol disto por parte dos seguintes emancipacionistas registrados em nossa história:

– Dr. Jacob André Avelino Steffens
– João Maximiliano Batistella
– Antônio Libório Bervian
– Hugo Euclides Siega
– Dr. Hugo José Germann
– João Batista Crestani

A instalação da primeira Administração do novo município deu-se em 28 de fevereiro de 1955, onde o primeiro prefeito eleito foi o odontólogo Dionísio Lothário Chassot.

Até o ano de 2008, o aniversário de emancipação do Município foi comemorado no dia 8 de maio, juntamente com a festa da Padroeira Nossa Senhora do Rosário da Pompéia. No entanto, segundo a Lei Municipal nº 2.337 de 24 de junho de 2008 este feriado foi extinto e instituiu-se o dia 28 de fevereiro de cada ano como o Feriado Municipal comemorativo ao aniversário de emancipação política e administrativa do Município de Tapera/ RS.

Atualmente nosso Município está passando pela 15ª Legislatura Municipal, sendo o atual prefeito Volmar Helmut Kuhn e o vice-prefeito Jorge Luiz de Quadros.

 

PREFEITOS

28/02/1955 a 31/12/1959     DIONÍSIO LOTHÁRIO CHASSOT (ADP)

31/12/1959 a 31/12/1963     JOÃO MAXIMILIANO BATISTELLA (PTB)

31/12/1963 a 31/01/1969     ROMEU CLÁUDIO KLOECKNER (PTB)

31/01/1969 a 31/01/1973     JOÃO MAXIMILIANO BATISTELLA (MDB)

31/01/1973 a 31/01/1977     ISIDORO GREGÓRIO SIMON (ARENA)

31/01/1977 a 31/01/1983     JOÃO MAXIMILIANO BATISTELLA (MDB)

31/01/1983 a 01/01/1989     IRENEU ORTH (PDS)

01/01/1989 a 31/12/1992     LUIS ANTONIO BRUNORI(PMDB)

01/01/1993 a 31/12/1996     IRENEU ORTH (PDS)

01/01/1997 a 31/12/2000     LUIS ANTONIO BRUNORI(PMDB)

01/01/2001 a 31/12/2004     JOSÉ NELSON BALENSIEFER (PP)

01/01/2005 a 31/12/2008     NESTOR ARNEMANN (PTB)

01/01/2009 a 31/12/2012     IRENEU ORTH (PP)

01/01/2013 a 31/12/2016      IRENEU ORTH (PP)

01/01/2017 a 31/12/2020     VOLMAR HELMUTH KUHN (PMDB)

 

 

Localização Geográfica

O município de Tapera localiza-se a 284 km da capital do Estado, no Planalto Médio, microrregião do Alto Jacuí. Tapera destaca-se como centro geográfico e cultural dessa região, apresenta uma área de 187,02 Km2 e se destaca pela beleza de suas paisagens, pelo seu povo culto, hospitaleiro e trabalhador.

Segundo dados do IBGE (em 2010) a população taperense era de 10.448 habitantes.

A população do Município é formada por descendentes de alemães e italianos oriundos das “Colônias Velhas” e da Quarta Colônia, bem como, por descendentes afros e mestiços. Essa miscigenação contribui para o enriquecimento cultural do Município.

Situada no vale do Jacuí, Tapera apresenta um relevo ondulado, com uma atitude média de 450 m, com solos profundos e argilosos, oriundos da decomposição de rochas basálticas que, através de sucessivos derrames vulcânicos, originaram, há cerca de 180 milhões de anos, o Planalto Médio.

O clima é subtropical úmido, com temperaturas variadas que chegam a 35° no verão e 0° no inverno, sendo que a temperatura média anual é de 18°.

Municípios que fazem limites com Tapera:

Selbach (10 Km)
Lagoa dos Três cantos (5 Km)
Espumoso (8 Km)
Victor Graeff (21 Km)

Outros municípios próximos de Tapera
Ibirubá (24 Km)
Carazinho (59 Km)
Soledade (48 Km)
Passo Fundo (77 Km)
Cruz Alta (80 Km)

Distância da capital do Estado:
Porto Alegre (284 Km)

 

 

 

 

Turismo

Tapera, localizada ao noroeste do Rio Grande do Sul, é uma bela cidade que preserva as suas tradições, com traços marcantes da colonização italiana e alemã em sua história, gastronomia e cultura. É um importante roteiro do turismo rural gaúcho. Na Rota Della Cuccagna, a Rota da Fartura, a cultura italiana se faz presente em diversos pontos do passeio, como na Casa do Vinho Rizzi, empresa familiar e tradicional que se dedica a produção artesanal de vinhos, pipas e artesanato em madeira. No local os visitantes têm a oportunidade de degustar e comprar produtos coloniais.

Outro atrativo do roteiro é a propriedade da Família Crestani, onde se pode conhecer e viver um pouco da história da imigração italiana. Lá estão construções do século passado, com móveis, objetos, utensílios, ferramentas de trabalho e fotografias que nos apresentam a história de um povo batalhador. Os visitantes também têm a oportunidade de saborear o delicioso Chá da Nona, um café estilo colonial preparado e servido pelos anfitriões.

Na Trattoria Bella Itália, outro ambiente típico, degusta-se um cardápio variado da culinária italiana. São servidos galetos, massas, polenta, vinhos de fabricação própria e outras delícias irresistíveis.

Integrando a Rota Della Cuccagna, está o Centro Municipal de Eventos, espaço de arte, cultura, lazer e turismo. Nele, o artesanato se faz presente na Casa do Artesão, com exposições e comercialização de belíssimos artigos criados pelas artesãs taperenses. Seguindo o passeio, no trajeto visita-se a Gruta Nossa Senhora de Lurdes, local religioso, tradicionalmente frequentado pelos moradores da região, que oportuniza a reflexão e momentos de fé.

Os admiradores das flores irão se encantar no Orquidário San Sebastian, que apresenta uma coleção com cerca de duas mil espécies de orquídeas. Lá, os visitantes têm a oportunidade de apreciar e adquirir obras-primas da natureza. O contato com a natureza é valorizado na Trilha Ecológica localizada na Floresta Municipal das Araucárias Janaína Orth. Com um percurso de aproximadamente 1.500 metros, possibilita a observação de inúmeros atrativos naturais como pinheiros centenários e variada vegetação nativa.

 

 

 

Economia

A economia no Município baseia-se no Agronegócio, destacando-se os seguintes produtos:

– Agrícola: celeiro de produção de sementes: soja, milho, trigo, cevada.
– Pecuária: produção leiteira, com destaque para as centrais regionais de recebimento de leite; suínos, aves, bovinos e ovinos de corte e apicultura.

– Setor industrial veem crescendo no Município com indústrias do Setor Metal Mecânico, produzindo máquinas e implementos agrícolas bem como serviços de serralheria em geral. Destaca-se também a indústria de artefatos de cimento.

–  Comércio e a prestação de serviços veem crescendo e se qualificando para atendimento às demandas do mercado local e regional.

 

 

Símbolos Municipais

– Brasão: Instituído pela Lei Municipal nº 518/74 de 25 de junho de 1974.

– Bandeira: Instituída pela Lei Municipal nº 775/83 de 02 de setembro de 1983.

Bandeira Municipal

A Bandeira do município de Tapera tem a forma retangular e é secionada em diagonal, da base inferior esquerda à parte superior direita, por dois triângulos retângulos, tendo ao centro o Brasão do Município. O triângulo inferior é de cor branca e o superior de cor azul.

A cor azul da Bandeira representa o céu deste município, com o símbolo do sol, da lua, das estrelas e das chuvas, que desenvolvem e embelezam toda a natureza. Significa o ideal do povo taperense, o seu esforço contínuo em busca da perfeição. Simboliza as religiões que procuram levar a união com uma divindade.

A cor branca representa a paz, a harmonia e a integração das diversas raças que compõe a população Taperense. Representa o diálogo e a cooperação entre autoridades e o povo. Simboliza o clima de ordem, justiça e fraternidade no qual se embasa a convivência e o desenvolvimento do Município.

 

 

Brasão do Município

As representações do Brasão do Município são as seguintes:

– O cruzeiro do sul representa a nossa Pátria;
– A casinha representa a “tapera” que originou o nome de nosso município;
– As elevações representam o relevo ondulado da nossa região;
– O pinheiro representa nossa primeira riqueza e também a necessidade de reflorestamento e preservação ambiental de nosso município;
– O livro aberto caracteriza a qualidade da educação em nossa cidade;
– O couro representa a instalação da indústria pioneira de nossa terra;
– O trator sulcando a terra representa o avanço tecnológico nas lavouras;
– Ramos de soja e espigas de trigo demonstram a base de nossa economia e de nossa riqueza;

– Faixa inferior:
* Deus: representa os cultos e credos existentes em nossa terra;
* Trabalho: representa a afirmação sócio-econômica de nossa gente;
* Perseverança: representa o dinamismo e a busca de um ideal.

– Datas:
* 1891 – Data que marca o início de nossa colonização
* 1954 – Data da emancipação política e administrativa do Município – Criação do Município

– Coroa mural: representa a fecundidade e a resistência cívico-moral do Município.

 

Slogan do Município

Tapera, recebeu o título de “CIDADE CULTURA” do Alto Jacuí, por sugestão da escritora Lydia Mombelli da Fonseca, devido ao nível cultural e educacional presentes nesta comunidade; devido ao colégio das freiras que a cidade oferecia para a região.

Desde o ano de 2009, a Administração Municipal está focada em trabalhar e investir no desenvolvimento educacional, artístico, cultural e social, visando uma educação integral e de qualidade, bem como fazer jus ao título de Cidade Cultura.